Casamento · Cerimônia · Música

As 10 músicas clássicas mais tocadas em casamentos

A moda ultimamente anda sendo os casamentos ao ar livre, diurnos, vintage e rustico… mas ainda tem os casais que não abrem mão de uma cerimônia mais tradicional, com coral e músicos. Esses optam por músicas clássicas durante a cerimônia.

Você é assim? Está pesquisando músicas clássicas para a sua cerimônia de casamento?

Estas são as musicas clássicas favoritas da maioria dos noivos e as mais executadas pelos profissionais de música nos casamentos.
Vamos conhecer as 10 músicas clássicas mais tocadas em casamentos ultimamente?

1. Marcha Nupcial – Felix Mendelssohn

É de longe a música mais escolhida pelas noivas para o momento da sua entrada.
A marcha nupcial de Mendelssohn foi composta em 1842 para a peça de Shakespeare “Sonho de uma noite de verão”. Algumas igrejas mais tradicionais vetam o uso dessa marcha nupcial, pois a peça de Shakespeare conta uma história pagã.
A rainha Vitória da Inglaterra utilizou a Marcha nupcial de Mendelssohn no seu casamento em 1848, na hora da saída dos noivos.

 

2. Marcha Nupcial – Richard Wagner

Essa marcha nupcial era muito comum, mas caiu na preferencia das noivas depois que começou a ser usada numa paródia infantil, comumente cantada nos aniversários: “Com quem será, com quem será, com quem será que fulana vai casar”. Fora do Brasil, principalmente nos EUA, ainda é a marcha nupcial mais comum.
Composta por Richard Wagner em 1840 para a peça Lohengrin, também foi utilizada pela rainha Vitória em seu casamento, dessa vez no momento da entrada da noiva.
Algumas noivas preferem não utilizar essa marcha, pois acreditam trazer má sorte, uma vez que é tocada num trecho triste da ópera Lohengrin: no terceiro ato do espetáculo, o casal Elsa e Lohengrin segue para a noite de núpcias, que acaba se tornando trágica.

 

3. Ave Maria –  Bach/Gounod

A Ave Maria de Bach/Gounod foi escrita em latim em 1853 por Charles Gounod. Ele escreveu a Ave Maria usando como base a harmonia e a textura do Prelúdio nº 1 em Dó Maior do livro I de O Cravo Bem Temperado, composta por Bach, cerca de 137 anos antes. Gounod fez uma leve alteração, adicionando um compasso de modo a suavizar a mudança rápida da harmonia do prelúdio.
Primeiro Gounod escreveu a melodia sobre o prelúdio de Bach, a qual deu o nome de Meditação, depois uniu o texto da Ave Maria á melodia e dedicou a sua namorada. Por esse motivo, é conhecida como Ave Maria de Bach/Gounod.
Um fato curioso é que Bach foi um dos principais compositores protestantes da História, enquanto que Gounod, no final de sua vida, se dedicou á música religiosa, chegando a compor o Hino do Vaticano.
Essa Ave Maria então, seria uma parceria entre um protestante e um católico.
Muito utilizada no momento da benção ou entrada das alianças.

 

4. Ave Maria – Franz Schubert

A Ave Maria de Schubert nunca foi uma Ave Maria.
Ellens dritter Gesang (Ellens Gesang III, D839, Op. 52 n º 6, 1825), “Terceira Música de Ellen” em português, foi composta por Franz Schubert em 1825 como parte de seu Opus 25, uma configuração de sete canções do poema épico popular de Walter Scott, “A Dama do Lago”, livremente traduzido do alemão. Tornou-se uma das obras mais populares de Schubert, sob o título de “Ave Maria”, em arranjos com letras diferentes que geralmente diferem do contexto original do poema.
As palavras de abertura e o coro da canção de Ellen, “Ave Maria” pode levar à idéia de adaptar a melodia de Schubert como base para o texto completo da tradicional oração católica Ave Maria. A versão latina da Ave Maria possui agora o uso comum com a melodia de Schubert que deu origem ao equívoco de que originalmente ele escreveu a melodia como um arranjo para a Ave Maria.

 

5. Pompa e Circunstancia – Edward Elga (Land of hope and glory)

Elga é principalmente conhecido pelas Marchas de Pompa e Circunstância (1901). Após compô-las, foi-lhe pedido para adaptar a letra de A. C. Benson para uma Ode à Coroação do Rei Eduardo VII de Inglaterra. O resultado foi Land of Hope and Glory.

 

6. Jesus, alegria dos homens – Johann Sebastian Bach

Jesus alegria dos homens (Jesus bleibet meine Freude, em alemão) é o coral final da cantata “Herz und Mund und Tat und Leben” (“Coração e Boca e Ações e Vida”, numa tradução livre), escrita por Johann Sebastian Bach em Leipzig, Alemanha no ano de 1716.
Uma das músicas mais utilizadas no momento das daminhas ou pajens, por sua leveza e suavidade.

 

7. Canon – Johann Pachelbel

Pouco se sabe sobre a composição de Pachelbel. A data aproximada é de 1690, e dizem que ele a compôs para o casamento do irmão de Bach, Johann Christoph, em 1694, mas nada nunca foi comprovado.
A musica permaneceu longe dos ouvidos do publico geral até 1970, quando Jean-François Paillard fez uma gravação, Desde então, a música já foi regravada centenas de vezes.
É uma composição leve e fácil de ser ouvida. Consiste em um ostinato (a mesma base repetida várias vezes) e um canon (a mesma música repetida pelos violinos, cada um entrando com dois compassos de intervalo).
Essa foi a minha escolhida para a entrada da noiva.

 

8. Primavera – Vivaldi

Primavera faz parte de As Quatro Estações, que são os primeiros quatro dos doze concertos para violino que Antonio Vivaldi compôs sob o título conjunto de Il cimento dell’armonia e dell’invenzione (“A luta entre a harmonia e a invenção”, numa tradução livre), os quais constituem o seu opus 8. Este conjunto de concertos foi publicado em 1725.
Vivaldi fez corresponder a cada uma das suas Quatro Estações um soneto. Não se sabe quem foi que escreveu os sonetos; há quem diga que terá sido o próprio Vivaldi.
Essa é uma das músicas preferidas dos noivos para o momento da saída pós cerimônia, e faz todo sentido, se pensarmos que é na primavera que toda a natureza e sua fauna se acasala e floresce.

 

9. Zadok the Priest – G. F. Händel

Zadok, the Priest (Zadoque, o sacerdote), foi escrita pelo alemão George Frideric Händel para a coroação do rei George II da Inglaterra em 1727.
Essa música é muito escolhida pelos noivos para o momento da sua entrada, pois é também a música inpiração do hino da UEFA Champions League.

 

10. Feuerwerksmusik – G. F. Händel

Feuerwerksmusik (musica para os fogos de artifício reais – tradução livre), foi composta por George Frideric Handel em 1749 a pedido do rei George II da Inglaterra para a festa dos fogos de artifício no Green Park em Londres, em 27 de abril de 1749. O motivo era as festividades em comemoração ao fim da guerra da Austria, e a assinatura do tratado de Aix-la-Chapelle em 1748.
O clima de festividade e comemoração da música a tornou uma das favoritas na escolha nos noivos no momento de saída no pós cerimônia.

 

Gostaram da nossa seleção?

Não deixe de conferir também o nosso post com as 10 clarinadas mais tocadas nos casamentos!
Tem alguma musica que deveria estar nessa lista?


Gosta do nosso conteúdo? Quer ficar sempre sabendo dos últimos posts e ver mais novidades?
Siga-nos no Facebook, Pinterest, BloglovinInstagram!!!

 

 

 

 

Anúncios

2 comentários em “As 10 músicas clássicas mais tocadas em casamentos

É muito legal receber os comentários de vocês! Continuem visitando =D

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s